A
A
«Queremos criar condições atractivas para o vosso regresso»

«Queremos criar condições atractivas para o vosso regresso»

Mensagem do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, para os inscritos na rede GPS-Global Portuguese Scientists
3 min

«Queremos criar condições atractivas para o vosso regresso, quando considerarem ser chegada a altura. Portugal é já um íman para turistas e visitantes estrangeiros, queremos ser também um país de acolhimento da competência e do saber; a começar pela vossa competência e pelo vosso saber.»

Caros portugueses e portuguesas que integram a rede do GPS – Cientistas Portugueses Globais: Portugal acompanha com grande interesse a vossa carreira e a de todos os investigadores e cientistas portugueses espalhados pelo Mundo. 

Como Presidente da República, é com gosto e em nome de Portugal que vos escrevo estas palavras. A mobilidade é essencial nas carreiras científicas e é com normalidade que o país assiste ao acesso de tantos jovens portugueses a sistemas científicos que são pólos de atracção para investigadores de todo o Mundo. Orgulhamo-nos da vossa capacidade e competência. O vosso sucesso é o nosso sucesso. 

Queremos criar condições atractivas para o vosso regresso, quando considerarem ser chegada a altura. Portugal é já um íman para turistas e visitantes estrangeiros, queremos ser também um país de acolhimento da competência e do saber; a começar pela vossa competência e pelo vosso saber. 

Devemos por isso estabelecer uma relação de proximidade convosco. Não apenas ocasional, mas permanente, dando-vos visibilidade e reconhecimento na sociedade portuguesa, acompanhando de perto o vosso percurso e ajudando-vos a voltar a este país que vos ama, se assim o pretenderem.

É patriótica esta missão, porque os cientistas portugueses no estrangeiro não são estranhos a Portugal, fazem e farão parte deste país que sempre abraçou o Mundo levando-lhe os seus filhos mais ousados, competentes e corajosos, e recebendo-os de braços abertos no regresso. Portugal conta convosco, para colaborarem com grupos de investigação nacionais e fortalecerem as redes de conhecimento, em prol do país e em benefício de todos.

À luz destas considerações, aproveito para salientar a importância do trabalho das associações de portugueses graduados no estrangeiro: é o caso da PARSUK no Reino Unido, da PAPS na América do Norte, da AGRAFr em França, da ASPPA na Alemanha ou da Native Scientists, em vários países. É uma actividade que merece reconhecimento e visibilidade, também em Portugal, que enriquece o debate público, a interacção e o conhecimento sobre o trabalho dos nossos cientistas espalhados pelo Mundo. 

Termino com uma palavra de felicitação às entidades, públicas e privadas, que há um ano criaram esta notável rede de investigadores portugueses, pondo-os no mapa, dando-lhes rosto, lugar e voz na vida portuguesa. Agradeço pois à Fundação Francisco Manuel dos Santos, à Agência Nacional para a Cultura Científica - Ciência Viva, à Universidade de Aveiro e à Altice, por este verdadeiro serviço público.

Um abraço de amizade

Marcelo Rebelo de Sousa

 

O acordo ortográfico utilizado neste artigo foi definido pelo autor.