A
A
Parque Eduardo VII

Feira do Livro de Lisboa 2022

A Fundação está de volta à Feira do Livro, com a maior participação de sempre. São 13 debates com autores, programas de rádio e promoções diárias de 50%, até dia 11 de setembro. Neste artigo, António Araújo dá-lhe as boas vindas à Praça da Fundação e explica porque é importante batalhar para que cada vez mais portugueses tenham acesso a livros.
6 min
Pelo décimo ano consecutivo, a Fundação Francisco Manuel dos Santos associa-se à Feira do Livro de Lisboa, um dos maiores acontecimentos culturais do país e, por certo, o mais importante evento do sector livreiro.

Segundo o Inquérito às Práticas Culturais dos Portugueses 2020, encomendado pela Fundação Gulbenkian ao Instituto de Ciências Sociais e coordenado por José Machado Pais, Miguel Lobo Antunes e Pedro Magalhães, só 39% dos portugueses leram livros impressos nesse ano, valor que baixa para 10% no caso dos livros em suporte digital – e que contrasta com a percentagem de 62% de espanhóis que leram um livro em papel, ou 20% em formato digital.   

Mais ainda, e como refere esse estudo, «a população leitora de livros impressos identificada pelo presente inquérito (…) constitui-se maioritariamente por pequenos leitores (27%, que leram entre 1 e 5 livros nesse suporte), ao passo que os médios leitores (6-20 livros) se cifram nos 7% e os grandes leitores (+ de 20 livros) em 1%.» 

Ou seja: apenas 39% dos portugueses leram um livro, dos quais 27% leram apenas 1 a 5 livros, 7% leram 6 a 20 livros e somente 1% leram mais de 20 livros.  

Em 2020 apenas 39% dos portugueses leram um livro.

O panorama da leitura em Portugal não é, como se vê, animador ou entusiasmante. Simplesmente, essa dura realidade não deve ser um motivo para desistir e baixar os braços, constituindo, ao invés, um desafio para continuar a trabalhar e a batalhar – é esse o termo, batalhar – para que cada vez mais e mais Portugueses tenham acesso ao mais importante instrumento de informação, conhecimento e cultura: o livro, nos seus mais variados formatos e suportes.  

Neste sentido, a FFMS reafirma o seu compromisso de sempre com a leitura, à luz do qual a Fundação já colocou nas mãos dos Portugueses, entre vendas e ofertas, quase dois milhões de livros.  

Na Praça da Fundação, são apresentados seis novos livros, 13 debates, a gravação ao vivo do podcast [IN] Pertinente, com Hugo van der Ding e Joana Pais, e é palco de um programa ao vivo da Rádio Renascença, com Filipa Galrão e Daniel Leitão, além de diversos momentos musicais.

Honrando esse compromisso, a Fundação terá este ano a sua maior presença de sempre na Feira do Livro de Lisboa, com três stands, o lançamento de seis novidades (três da colecção Ensaios, três da colecção Retratos) e a realização de 13 debates em torno das suas publicações, uma gravação ao vivo do podcast [IN] pertinente, com a dupla Hugo van der Dingh e Joana Pais, com o título «Economia não é só parta pessoas inteligentes», uma tarde de programa ao vivo da Rádio Renascença, com Filipa Galrão e Daniel Leitão, além de diversos momentos musicais.  

Aqui fica o convite para visitar a Fundação na Feira do Livro de Lisboa. E, para quem quiser saber mais, aqui fica o programa das nossas actividades na FLL.  

 

AGENDA DA PRAÇA DA FUNDAÇÃO NA FEIRA DO LIVRO:

26 Agosto

  • 18h – 18h45 Afogados em plástico?

Assista ao debate de apresentação do novo livro «Oceano de Plástico» com a autora Paula Sobral e Luís Menezes Pinheiro, da COI Portugal, numa sessão moderada pelo jornalista José Pedro Frazão.

27 Agosto

  • 17h – 17h:45 Um passado que passou?

Assista ao debate de apresentação do novo livro «Castro Laboreiro: Entre Brandas e Inverneiras», com a autora, Luísa Pinto, e o arquitecto paisagista Henrique Pereira dos Santos. A moderação é da jornalista Joana Petiz.

  • 18h30 – 19h15 O palco ou a vida?

O palco ou a vida? Na Feira do Livro de Lisboa, assista ao debate de apresentação do livro «Vamos ao Teatro» com a autora, Dina Soares, e o actor e encenador João Lourenço. Uma conversa moderada pela jornalista Joana Petiz.

28 Agosto

  • 17h30 – 18h15 Pensões, que futuro?

Uma conversa sobre o novo livro «Proteção Social no Portugal Democrático: Trajetórias de Reforma», com o autor Rui Branco os economistas Paulo Marques e Mariana Trigo Pereira, coordenadora do grupo de peritos que vai analisar a sustentabilidade financeira da Segurança Social e do sistema de pensões. Moderação da jornalista Joana Petiz.

  • 18h30 – 19h15 Havai, que memória portuguesa?

Assista à apresentação do novo livro de Mário Augusto «Mandem Saudades: Uma Longínqua História de Emigração», onde o autor conversa com a jornalista Joana Petiz.

2 Setembro

  • 19h:00 – 19h45 Galiza, bom vento, bom casamento?

Assista ao debate sobre o livro «Galiza, Terra Irmã de Portugal», com o autor, Ramón Villares, e o editor e escritor José Carlos Vasconcelos.

3 Setembro

  • 17h00 – 17h45 Infinito e mais além?

Debate do livro O Universo: Do Big Bang aos Buracos Negros» de Paulo Crawford, que conversa na Feira do Livro com o astrofísico e especialista em cosmologia José Pedro Mimoso. Um debate moderado por Paulo Ferreira.

  • 18h30 – 19h15 O Tejo à mão, que resta dele?

Uma conversa sobre o livro «Avieiros, hoje», que conta a história do movimento migratório de centenas de famílias de pescadores da Praia da Vieira para o rio Tejo, onde criaram uma cultura ribeirinha ímpar. Com o autor João Francisco Gomes e com João Monteiro Serrano, coordenador do projeto de candidatura da cultura avieira a Património Nacional e da Unesco. Um debate moderado por Paulo Ferreira.

4 Setembro

  • 17h30 – 18h15 Livreiros, um mundo em extinção?

Assista na Feira do Livro ao debate do novo livro «A Religião dos Livros», com o autor Carlos Maria Bobone e o escritor e bibliófilo Alberto Manguel, director do Espaço Atlântida: Centro de Estudos da História da Leitura em Lisboa. A moderação é de Paulo Ferreira.

9 Setembro

  • 16h - 20h Turno da Tarde - Programa da Renascença ao Vivo

Chamam-se Filipa Galrão e Daniel Leitão. Dois portugueses. Uma mulher e um homem.Têm uma profissão: são radialistas e fazem o Turno da Tarde na Renascença, de segunda a sexta das 16h às 20h.

  • 18h-18h45 Portugal-Brasil, irmãos desavindos?

Sabia que, durante a década de 1990, os cidadãos brasileiros tornaram-se a principal comunidade estrangeira em Portugal? A coautora do livro «Portugal-Brasil: Encontros e Desencontros», Carmen Fonseca, conversa com a presidente da Casa do Brasil, Cyntia de Paula, numa sessão moderada pelo jornalista José Pedro Frazão. Esta conversa vai ser gravada live on tape, para posterior emissão na Rádio Renascença.

10 Setembro

  • 17h - 17h45 Governo ou desgoverno?

Quando o desemprego aumenta, um grande incêndio deflagra ou uma pandemia surge, para onde olham os Portugueses? A quem exigem responsabilidades? Pedro Silveira, autor de «Governo de Portugal» conversa com a cientista política Patrícia Calca, numa sessão moderada pelo jornalista José Manuel Fernandes.

  • 18h30-19h15 Populismo, fomos sempre assim?

Portugal vive há mais tempo em democracia do que em ditadura. Porque é que os eleitores continuam a ser tão sensíveis ao discurso populista? O autor de «Populismo, Lá fora e cá dentro», José Pedro Zúquete, conversa com o geopolítico Bruno Cardoso Reis e o politólogo Pedro Tereso Magalhães, politólogo, numa sessão moderada pelo jornalista José Manuel Fernandes.

11 Setembro

  • 17h30 - 18h15 Portugal, onde vamos?

Há 15 anos que a economia nacional não cresce. Porquê? O autor de «Economia Portuguesa, As Últimas Décadas», Luciano Amaral e a economista Sandra Maximiano, numa sessão moderada pelo jornalista José Manuel Fernandes.

     

    O acordo ortográfico utilizado neste artigo foi definido pelo autor.