Ciência e Tecnologia

Limites da Ciência

PUBLICADO EM julho 2014
Sobre
Ver

Sinopse

A ciência é infinda, mas limitada. Alguns limites são internos: as regras, leis, princípios, teoremas, etc., que a própria ciência produz. Outros, impostos pelas técnicas e instrumentos de medida, são provisórios. A língua (matemática) e a linguagem científicas também podem ser obstáculos à comunicação. Os verdadeiros limites da ciência são, porém, de natureza ética, política, económica e financeira. Neste ensaio são analisados os quatro CC da ciência: o seu carácter (nomeadamente a serendipidade da descoberta científica), as crises causadas pela censura e pelo mau comportamento científico (erro, plágio, fraude), o papel do capital (financiamento e administração da ciência) e as catástrofes (naturais, como a erupção da Krakatoa, em 1883; ou devidas a falha humana, como Bhopal, Chernobyl e Golfo do México). São também discutidas as ameaças vinda do espaço, os sobressaltos do bioterrorismo e das nanotécnicas e o destino do lixo nuclear. Numa época em que a guerra se trava já no ciberespaço, o leitor é alertado para os perigos latentes da (super)inteligência artificial.

Autoria

Coordenação e autoria

  • Jorge Calado
    Professor Universitário
    Licenciado em engenharia química pelo Instituto Superior Técnico e doutorado em química pela Universidade de Oxford, JORGE CALADO tem desenvolvido carreiras nas ciências e nas artes.Professor catedrático de química-física do IST e catedrático adjunto de engenharia química da Universidade de Cornell (EUA), dedicou-se à termodinâmica de líquidos moleculares, tendo gerado mais de cem doutoramentos (directos e secundários). Em 2011 (Ano Internacional da Química) publicou “Haja Luz” – Uma História da Química Através de Tudo”. Fundou e dirigiu, no Instituto Nacional de Administração, os primeiros cursos, em Portugal, de administração das artes. Crítico cultural do jornal Expresso, iniciou a Coleccção Nacional de Fotografia e já comissariou mais de vinte exposições de fotografia em Portugal, Bélgica, França, Inglaterra e EUA.

Partilhar